13 de setembro de 2012

Nascer sem asas, fazê-las nascer . . .

"Tenho sido acometido constantemente pelo inédito, pelo inesperado, pela novidade.
 Nem mesmo eu sabia o quanto estava precisando de novos ares, novos lugares, novas histórias pra contar. Ano passado foi bom, mas repeti demais, permaneci demais em situações que eu sabia que dariam errado desde o começo. Muito disse, muito senti, estraguei uma ou outra coisa, mas sobrevivi. Qualquer outro caminho que eu tivesse seguido não me teria trazido até o agora. Eu estou gostando do agora. E isso só me deixa mais ansioso pelo que me está reservado no depois. Parei de caminhar pela marquise, com medo da chuva. Me deixei atingir por raios. E sempre tem um ou outro que é forte o suficiente pra te fazer o coração parar, pra voltar a bater ainda mais forte. É intensa, a vida de quem corre na chuva, sem desviar das poças d’água. É imprevisível, a vida de quem caminha sem medo de escorregar, de olhos fixos no horizonte, desatento às pedras no chão. Os tombos viram cicatrizes e, em seus pontos recém costurados, se pode ler uma porção de coisas. E entre “não faça isso” e “faça aquilo”, a gente passa a caminhar por estradas cada vez mais estreitas, quase claustrofóbicas. São tantas as lições que a vida nos dá, que, por vezes, vemos nosso mundo se restringir a minúsculos cubículos cercados por instransponíveis muralhas. Assim a gente pára de caminhar, e passamos a viver em um eterno ciclo repetitivo. E é quando essa situação se transforma numa chaga insuportável, a gente apalpa as próprias costas e descobre que somos dotados de asas. Lá de cima, a gente pode acompanhar todos os caminhos que deixamos de percorrer, por medo de colecionar novas - e mais doloridas - cicatrizes. Tomados pelo arrependimento, descobrimos que nossa estrada não é de duas mãos"


Lucas Silveira

Nenhum comentário:

Ofertas! Brandsclub

Amo muito isso!!!

Ofertas Bondfaro e Buscapé!!!!

Related Posts with Thumbnails